quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Qual é?

Qual é, vida?

Não me mostre a entrada, sei que ela não é a saída.
O começo da escada, não é o fim da lida.

Me passe a perna, para que eu veja que o chão está sempre perto.
Não me mostre sempre o caminho, pois sei que ele é incerto.

Que eu dou mesmo a cara pra bater, que eu respondo sem pudor.
Que a cada porta na cara, cada tropeço, eu vejo o seu valor.

Que eu te surpreendo e me deixo sempre surpreender,
to sempre no jogo, mesmo sabendo que posso perder.

Viu só, vida?