terça-feira, 14 de agosto de 2012

Fogueiras

Agora juntem os seus gravetos e acendam as suas fogueiras
que ela ilumine os seus rostos e aqueça os seus corpos

Me joguem na penumbra, onde as chamas podem ser transformadas em mil
em cada reflexo, de cada lágrima

Não me deixem explicar, não me escutem e falem todos ao mesmo tempo,
para que eu me confunda e me cale

E que eu seja eternamente a lembrança do que poderia ter sido
se não estivesse na penumbra, confuso e calado

Na dança do tempo, sem passo, e fora do ritmo
no canto da vida, fora do tom, no canto