quarta-feira, 4 de abril de 2012

04 de Abril

O dia já começou. Eu ainda não dormi. Não que isso seja alguma novidade. Os dias invadem as noites constantemente no meu cotidiano. E vice versa.

Os últimos dias têm sido interessantes. Posso notar uma melhora significativa na minha recuperação. Desde o meu penúltimo retorno tenho andado mais sem muletas.  Isso aumentou as minhas dores. E dá-lhe analgésico. Mas parece que elas estão diminuindo novamente agora. O bendito período de adaptação. Não que ele tenha acabado. Mas o início é mais doloroso. E a medida que os dias foram passando, eu me vi fazendo uma espécie de contagem regressiva.

Hoje é dia 04 de Abril de 2012. Daqui a algumas horas vai fazer um ano que eu ganhei mais uma chance nessa vida. É assim que eu vejo. Foi um presente. Para mim, é como se eu tivesse agora dois aniversários. Não quero pensar em coisas ruins. O que aconteceu, acontecido está. Cabe a mim ver isso da maneira que eu quiser, e puder. E eu vejo. Da melhor maneira que consigo.

Quero agradecer, apesar de ás vezes querer chorar.
Sorrio, apesar de ás vezes blasfemar.
Sou a paciência em pessoa, apesar de ás vezes deixar o nervosismo vir a tona.
A gratidão, o sorriso e a fé, são mais fortes que a dor, a blasfêmia e o choro.

A todos que me dirigiram o pensamento, a palavra, o abraço, o consolo, a oração. Aos amigos, conhecidos, parentes, de perto de longe, de qualquer lugar.
Aos meus pais, Alcinda e Roberto, irmãs Aina, Isis e Maíra, à querida companheira Renata e ao meu lindo filho Marawê, que estiveram ao meu lado, me apoiando, me levando, sempre que precisei. Eu amo vocês.

Eu amo vocês!  Eu amo a vida, o que eu aprendo com ela, e tudo o que ainda posso aprender.

Por falar em aprender, tem duas coisas que queria citar que eu aprendi um pouco mais sobre:

1- Não deixe para amanhã o que você pode fazer hoje. E isso ás vezes é muito difícil. Diga, encontre, abrace, se declare, não adie.

2- Perceba que não é tarde demais. Se você já deixou para hoje o que era de ontem, corra atrás, e faça o melhor que puder, mesmo assim! Se não era de ontem, era do mês passado, do ano passado, de dez anos atrás, faça! Há acontecimentos que tornam coisas não feitas antes impossíveis de serem feitas, eu admito. Mas se não for o caso, estou correndo atrás!

Ainda quero agradecer a Deus, à força, aos anjos, aos protetores, aos santos, aos orixás, àquilo que existe de mais sagrado... para sempre!

Para ilustrar o que eu aprendi: