sexta-feira, 10 de junho de 2011

Made in China - a ameaça xing-ling

Esses dias recebi de uma amiga (valeu Heloá Andrade) um texto muito interessante, que trata da crescente "chinalização" de tudo quanto é tipo de produtos industrializado. Como o texto citava o nome do autor eu fiz uma pesquisa e achei o texto original, que transcrevo abaixo, para depois fazer os comentários pertinentes...


Os Preçonhentos - A armadilha chinesa

Por Luciano Pires

Alguns conhecidos voltaram da China impressionados. Um determinado produto do qual o Brasil fabrica um milhão de unidades por ano, uma só fábrica chinesa produz quarenta milhões... A qualidade já é equivalente. E a velocidade de reação é impressionante. Os chineses colocam qualquer produto no mercado em questão de semanas. Com preços que são uma fração dos praticados aqui.
Uma das fábricas chinesas está de mudança para o interior, pois os salários da região onde está instalada estão altos demais: 100 dólares. Um operário brasileiro equivalente ganha 300 dólares no mínimo. Que acrescidos de impostos e benefícios, representam quase 600 dólares. Comparados com os 100 dólares dos chineses, que recebem praticamente zero benefícios.
Hora extra? Na China? Esqueça. O pessoal por lá é tão agradecido por ter um emprego, que trabalha horas extras sabendo que nada vai receber.
Essa é a armadilha chinesa. Que não é uma estratégia comercial, mas de poder.
Os chineses estão tirando proveito da atitude dos marqueteiros ocidentais, que preferem terceirizar a produção e ficar com o que “agrega valor”: a marca. Dificilmente você adquire nas grandes redes dos Estados Unidos um produto “made in USA”. É tudo “made in China”, com rótulo estadunidense. Empresas ganham rios de dinheiro comprando dos chineses por centavos e vendendo por centenas... Mesmo ao custo do fechamento de suas fábricas.
É o que chamo de “estratégia preçonhenta”.
Enquanto os ocidentais terceirizam as táticas e ganham no curto prazo, a China assimila as táticas para dominar no longo prazo. As grandes potências mercadológicas que fiquem com as marcas, o design. Os chineses ficarão com a produção, desmantelando aos poucos os parques industriais ocidentais. Em breve, por exemplo, não haverá mais fábricas de tênis pelo mundo. Só na China, que então aumentará seus preços, produzindo um “choque da manufatura”, como foi o choque do petróleo nos anos 1970. E o mundo perceberá que reerguer suas fábricas terá custo proibitivo. Perceberá que se tornou refém do dragão que ele mesmo alimentou. Dragão que aumentará ainda mais os preços, pois quem manda é ele, que tem fábricas, inventários e empregos... Uma inversão de jogo que terá o impacto de uma bomba atômica. Chinesa.
Nesse dia, os executivos “preçonhentos” tristemente olharão para os esqueletos de suas antigas fábricas, para os técnicos aposentados jogando bocha na esquina, para as sucatas de seus parques fabris desmontados. E lembrarão com saudades do tempo em que ganharam dinheiro comprando baratinho dos chineses e vendendo caro a seus conterrâneos.
E então, entristecidos, abrirão suas marmitas e almoçarão suas marcas.
Eu concordo plenamente com o sr. Luciano Pires, e penso que devemos, cada um de nós, fazer a nossa parte para (tentar) evitar isso tudo!
Vamos valorizar a produção nacional, e, sempre que possíve,l regional. Não se trata de nacionalismo, é uma questão de sobrevivência e sustentabilidade!
Claro que ajudaria se a política fiscal e monetária do país colaborasse para a diminuição dos preços ao consumidor final, mas esse é um outro assunto...
Vamos acordar e fazer a nossa parte!!
Fonte: http://www.globalexchange.com.br/artigo.asp?txtid=685

Nenhum comentário: