sábado, 24 de dezembro de 2011

Internação, chegadas e partidas...Adeus 2011

Me internei (não sei se isso tá bem certo...) no dia 11 de dezembro. Não tinha leito pra mim na enfermaria de ortopedia, e fui internado na enfermaria de cirurgia geral. Naquela mesma tarde, o senhor que dividia o quarto comigo teve alta, e eu passei a noite com o quarto só para mim. E a dificuldade pra dormir? Sempre lá. Falei que estava com dificuldade pra dormir, e me receitaram meio comprimido de diazepan. Nenhum efeito. No dia seguinte, conversei com um amigo que é médico lá ( Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP) e ele me receitou 8 gotas de neozine. As enfermeiras falaram que 3 gotas derruba o crioulo. Não adiantou muito também.

Na segunda chegou outro paciente para ocupar o leito ao lado do meu, e logo fizemos amizade. Ele havia feito cirurgia de apendicite, e tinha muitas dores.

A minha cirurgia foi na sexta, dia 16. Sala de cirurgia. Anestesista:
- Jiddu, sua anestesia sera rack, você já fez alguma? 
- Huuum, pelo menos umas 6 vezes...rsrs.
- Ah, então nem vou explicar! 
- Não precisa não, e também não precisa nem se preocupar em achar o lugar certo, é só ver a marquinha e enfiar a agulha!

A cirurgia foi tranquila (pelo menos para mim, nem vi nada...) e o pós operatório também.

Uma demonstração de companheirismo: No sábado, eu tomando remédio na veia, fiquei com vontade de fazer xixi. E agora, como fazer? O suporte do soro era pesado, e mesmo se fosse leve, como eu iria puxá-lo, de muletas?
- Jiddu, eu levo o seu remédio pra você, aí você consegue ir.
- Sério mesmo, Marcos (o meu companheiro de quarto)? 
- Porra cara, obrigado!
Fiquei feliz hein! Demos altas risadas varias vezes, e ele foi embora pra casa no domingo.
Eu fui na segunda. Oito dias internado. Totalizando 31 no ano.

Segunda é dia de Stammtisch. Mas eu fiquei bem quietinho em casa.

Noite fatídica. Adeus Fabio Cortés. Você é muito querido. Circunstâncias muito ruins. Não posso fazer nenhuma crítica, apenas lamentar. Veja um dos textos sobre isso: http://bicicreteiro.org/2011/12/23/fechado-por-luto/

Acho que demorei uma semana para terminar de escrever esse post.

One year.So much to do. So much to say. Much to remember.
I am not forgetting you, So much to learn. Adeus 2011.




terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Google Chrome com múltiplas instâncias independentes


Para quem precisa rodar duas ou mais instâncias do Chrome ao mesmo tempo, sem precisar ter 2 contas de
usuário no Windows, faça o seguinte:

1- Vá até a pasta de SEU USUÁRIO no Windows Explorer, geralmente no Disco Local C:, e procure o seguinte caminho (a pasta AppData é oculta por padrão):
C:\Users\SEU NOME DE USUÁRIO\AppData\Local\Google\Chrome\User Data

2- Crie dentro de "User Data" uma nova pasta, e nomeie-a como desejar.

3- Crie uma cópia do seu atalho para o Chrome (na Área de Trabalho) , depois abra as Propriedades

desse atalho e adicione na caixa "Destino:", o seguinte no final do caminho do atalho:
 --user-data-dir="..\User Data\NOME DA PASTA CRIADA EM User Data"
note que há um espaço no início, que deve ficar após \chrome.exe

O resultado será algo como:
C:\Users\Jiddu\AppData\Local\Google\Chrome\Application\chrome.exe --user-data-dir="..\User Data
\teste"
Veja abaixo:

4- Aperte OK e estamos resolvidos! Sugiro mudar o ícone dessa segunda instância, para não confundir.

Pode-se fazer isso para mais instâncias, mas eu só testei até 3.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Cotidiano

"Todo dia ela faz tudo sempre igual, me sacode as seis horas da manhã...'

Não tããão cotidiano assim. Começar pelo fim.


  • 4 da manhã. Finalmente, depois de uma longa batalha, durmo.
  • 10 da manhã. Acordo. Com sono. Mas levanto. Meia hora para ficar pronto para qualquer coisa.
  • Contraste Studio, com meu amigo Fabio Gil. No caminho tem uma prosinha com o pessoal da Marcenaria Verde Verniz, do Trabambu e da Amore. Dependendo da hora, um café. Preto. Sem açúcar. Boas risadas! Subir escadas (gosto dessa parte, é um exercício de superação, afinal são uns 20 degraus, curtos e altos.) Cada dia tento melhorar a minha técnica de subida. Ultimamente tenho conseguido subir dando passos com os dois pés, sempre apoiando no corrimão, e na muleta, no braço esquerdo (cada vez menos!).
  • 13h aprox. Hora do rango. Descer as escadas. Não faz muito tempo que não me apóio no corrimão, mas não coloco o pé direito nos degraus. Pé esquerdo e muletas. To querendo tentar colocar o pé direito também, vamos ver.
  • 14:40. Se for segunda, quarta, ou sexta, fisioterapia! Um analgésico pra não judiar muito.  Hoje foi meio complicado, tava com dor, mas dei mole não, o fisioterapeuta perguntou se eu queria diminuir o peso hoje, mas deu pra fazer com os 2kg mesmo!
  • 17h, aprox. De volta em casa, se não tiver muita coisa pra fazer na cidade. Se tiver ficado em casa, provavelmente fiquei trabalhando no note, e de qualquer forma, é hora do lanchinho. A mamis sempre traz algo gostoso.
  • 19h, aprox Hora do banho. Dura no mínimo uns 40 minutos.Nos últimos dias tenho terminado o banho de pé, debaixo do chuveiro. Que sensação boa! Depois do banho fica um pouco dolorido também, ás vezes tenho que mandar mais um analgésico.
  • Hora da janta.
  • Dependendo do dia, fazer o Marawê dormir, ou então internet, ás vezes leitura, filme e trampo.
  • 23h. Hora de dormir, mas não consigo essa hora. Geralmente ainda no trampo, note, etc.
  • 0h. Hora de dormir. Agora já dá pra começar a tentar. Fazer oração. Deitar. Sem chance. 
  • 1h. Hora de dormir. Fome. Hora do lanchinho da madrugada, Se não consegui dormir sem fome, com fome é que não vai meeeesmo!
  • 2h. Hora de dormir-O retorno. Deitar. Fechar os olhos. Nessa posição não dá. Nem nessa. Nem nessa. Sentar na cama. Ficar encostado na parede. Tomar água. Fazer xixi. Ok, o sono ficou mais forte. Deitar. Pensar na morte da bezerra. Contar carneirinhos. Me concentrar na respiração. Fazer oração. Sem chance. Dor, se não tivesse presente, ela está agora, de tanto eu me virar e me mexer procurando um jeito de dormir.
  • 3h. Já que não dá pra dormir, voltar um pouco pra internet. Facebook. Msn. Skype. Falar com outros notívagos Insones.
  • 4h. Hora de dormir-Eu ainda sei o que você fez na noite passada. Deitar. Fechar os olhos. Nessa posição não dá. Nem nessa. Nem nessa. Sentar na cama. Ficar encostado na parede. Analgésico. Finalmente, depois de uma longa batalha, durmo.
Com variações em torno do mesmo tema. 

Inté!

sábado, 3 de dezembro de 2011

Rede sem fio e fertilidade masculina. Perigo

Recentemente o uso de computadores portáteis conectados a redes sem fio tornou-se corriqueiro, e até mesmo indispensável. Pessoas usando a rede sem fio (Wi-Fi) estão expostas a sinais de rádio , podendo ter parte da anergia transmitida pelo seu corpo. Tá. Isso não é nenhuma novidade.

Computadores portáteis são muitas vezes usados no colo, expondo a área genital tanto a ondas de radiofrequência como a temperaturas elevadas.

Num estudo conduzido por profissionais do Nascentis Centro de Medicina Reprodutiva em Cordoba, Argentina em conjunto com o Eastern Virginia Medical School, Norfolk, Virginia - EUA chegou-se a um resultado de que o uso de Wi-Fi diminui a motilidade dos espermatozóides humanos e aumenta fragmentação do DNA do esperma.

Traduzindo: Motilidade é, literalmente, a capacidade ou facilidade de se mover. praticamente um sinônimo de mobilidade. Fragmentação nesse caso pode ser interpretada como danos no DNA.

Segundo o estudo, homens que ficam muito tempo com notebook no colo conectados na internet via Wi-Fi podem ter problemas de fertilidade.

A - Esquema do experimento. B - Situação esquemática do uso de notebook no colo, próximo aos testículos. C -  Diagrama do estudo in vitro. Os discos de Petri foram colocados a 3cm do notebook. Cada disco de Petri continha 400 ml de esperma imerso em fluido sintético, coberto com óleo mineral para prevenir a evaporação.

Acompanhe:

29 amostras de sêmen foram coletadas de doadores saudáveis depois de um período de 2 a 5 dias de abstinência. As amostras, depois de analisadas e selecionadas, foram imersas em um meio específico para esse tipo de estudo, composto, entre outros, de óleo mineral, e cada uma foi dividida em 2 recipientes (A e B).

Os recipientes B foram posicionados abaixo de um notebook (Toshiba Satellite M305D-S4829) conectado  à internet através de rede sem fio (Wi-Fi, frequência de 2.4 GHz definida pelo IEEE 802.11b), em temperatura ambiente e a uma distância constante de 3cm (distância estimada no uso no colo de uma passoa) do notebook, por um período de 4 horas, durante os quais foram efetuados downloads e uploads constantes, mantendo a rede sem fio em uso constante e ativo.

Os recipientes A foram mantidos em iguais condições de armazenamento, numa sala sem a presença de equipamentos eletrônicos próximos.

Foram feitos testes de intensidade de radiação em notebook usando Wi-Fi, não usando Wi-Fi e sem o uso do notebook. A intensidade da radiação com o uso de Wi-Fi foi de 3 a 4 vezes maior que sem o uso,e de 7 a 15 vezes maior que sem o uso do notebook.

O resultados finais indicam que houve uma diminuição significativa na motilidade progressiva dos espermatozoides, concomitante com o aumento de espermatozóides sem motilidade, quando comparados ao grupo de controle (recipientes A). Além disso houve grande aumento na porcentagem de espermatozóides com DNA danificado, o que, segundo reportagem do UOL, representa que esses pacientes têm três vezes mais riscos de ter algum problema de fertilidade.

O estudo discorre ainda sobre resultados de pesquisas sobre o impacto de ondas de radiofrequência em espermatozóides humanos e em testes realizadas com ratos.

Para quem lê em inglês é um bom material para pesquisa. Os links para a matéria no UOL e para o artigo completo estão abaixo;

Reportagem UOL: http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ultimas-noticias/2011/11/30/usa-o-notebook-no-colo-afeta-fertilidade-de-espermatozoides-diz-estudo.jhtm.

Artigo original: http://download.journals.elsevierhealth.com/pdfs/journals/0015-0282/PIIS0015028211026781.pdf

Conteúdo relacionado: Wi-Fi poderia matar árvores

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

28 - e seguir viagem

Se a sua internet não é power, coloca o vídeo pra carregar agora. No meio da leitura já deve dar pra assistir (ouvir, na verdade, não tem vídeo)...


Esse aniversário tá diferente. Não estou me sentindo, como todas as vezes anteriores, mais velho. Nem sinto que sei mais coisas, ou estou mais maduro, sábio, ou outro adjetivo deste naipe.

Estou com uma impressão, mas ainda não sei se é isso mesmo. Parece que eu comemoro todos os dias agora como se fossem meu aniversário.

Claro que eu fiquei muito feliz com todos os recados, mensagens, telefonemas... a data é especial. 2.8 Turbo. A lataria tá um pouco afetada, a funilaria é lenta, envolve estrutura, mas disseram que vai ficar zerada. Mas garanto que de motor tá bom. Tá bom, não é o mais econòmico, mas o que você esperava de um 2.8? 20km por litro? Tà longe. (Acho que já da pra apertar o play da música.)

Tá longe. Dez anos atrás eu estava estudando na Industrial. Me preparando pra viajar por 1 ano pra Europa. Parece que foi ontem. 20 anos atrás eu estava em Alto Paraíso de Goiás. Ganhei no meu aniversário de 8 anos uma peça de teatro, na qual eu era o ator principal, e que tinha como história, a vontade da construção de uma praça, naquela cidade que não tinha nenhuma, eu me lembro como se fosse anteontem. E a cidade toda na festa, eu de roupa branca, e sapato brilhando... Tá longe. Minha mãe me contando do dia em que eu nasci. Tá longe.

Mas tá perto. Aqui, dentro da minha cabeça, e do meu coração.

Seguir viagem.

sábado, 5 de novembro de 2011

Considerações sobre a dor III - a revolta do ducentésimo décimo

Continuando a divagar sobre a dor:

Ainda não cheguei a uma tese sobre a origem da dor, e a sua relação com o psicológico, mas tenho algumas observações a fazer:

  • Durante o dia a dor tende a se esconder. Ainda não sei se é o sol, ou se é por turnos de horário.
  • Manifesta-se mais se eu presto atenção nela. Também não sei se é timidez ou exibicionismo.
  • Gosta de atenção especialmente a noite, no horário de dormir, e é bem chegada num analgésico nesse horário.
  • Pode variar sorrateiramente de lugar, maior fanfarrona.
Descobri um jeito de amenizar a dor, aliás, mais de um até eu acho. Quando estou no banho, e estou com dor, mas a perna precisa ser limpa, especialmente em volta dos ferrinhos do Fixador, antes mesmo de começar a aumentar a dor eu me concentro, ao mesmo tempo que me desconcentro, é uma coisa meio doida. Eu penso longe, não em algo definido, mas me desligo um pouco do que está acontecendo, ás vezes pode ser começando a olhar para o céu através da janela, e começo a viajar nele. Eu digo que me concentro porque isso exige um esforço, uma vontade para se fazer. E então eu entro numa espécie de torpor, como se eu estivesse meio bêbado. Meus movimentos, reações e até a fala ficam afetados. Tudo fica mais lento. E a dor parece que fica mais longe. Até demoro um pouco para conseguir voltar ao estado normal.

Outra situação é quando estou fazendo algum esforço físico, por exemplo, na fisioterapia. Principalmente na parte de alongamento, e ganho de movimentação (acho que não é o termo correto...) sinto dor. Tem vez que não é muito. Mas tem vez que nem consigo completar toda a série. Então eu me concentro na dor. Pois nesse momento eu não posso ficar lento, entorpecido. Eu tentei uma vez. E não consegui. Não consigo me desligar da dor, então me ligo nela. Parece que a estou desafiando. Vem que eu tô aqui. Pode vir mais forte, que eu sou mais forte que você. E não me esqueço nem um instante que essa dor quer dizer que estou me recuperando. Ás vezes conto os segundos que dura cada exercício, ou movimento, e quando não aguento mesmo peço água. 

Ah, e o ducentésimo décimo veio no meu peito, com os dois pés. O dia. 7 meses. Que venham mais 7, ou 8, ou quantos forem necessários. Vem que eu tô aqui.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Argila, Açúcar, Babosa, Calêndula, Kollagenase e outros

Todos esses do título eu já usei na minha perna durante esses quase 7 meses. O que mais? Huuum... Fitoterápicos chineses, Dersani...e muuuita água e sabonete. Sabe que eu acho que o que mais teve efeito cicatrizante foram açúcar e argila? Para os corajosos estou colocando uma série de fotos (na página Fotos) desde abril até agora, só da parte que ficou agora quase 210 dias aberta... Agora mesmo estou com uma compressa de argila com óleo de Melaleuca. Isso cheira bem, e tá fazendo um bem danado!

domingo, 23 de outubro de 2011

Drive my car

Pois nessa quarta feira (que passou) eu fui dirigindo sozinho até a fisioterapia! E foi tão divertidooooo! Calma, eu to com a perna quebrada, mas ela ainda tá aqui! Dá pra dirigir, devagarzinho. Dá mais trabalho pra entrar e sair do carro do que para dirigir, na verdade. A Renata estava me levando, mas tinha que resolver coisas no banco. Claro que demorou mais que o previsto no banco, e aí eu peguei o carro e fui. Eu já tinha dirigido antes um pouco, aqui na Demétria e também na cidade, mas sozinho na cidade foi a primeira vez em quase 200 dias!

Tá bom! Também não é tão fácil assim, dói um pouco, mas nada insuportável. E é tão bom se sentir independente! Pra comemorar até vou postar uma música que me veio à cabeça naquele momento:


Aí sim!!

sábado, 15 de outubro de 2011

De pernas em S e UTIs

"- Então você trabalha na Unesp?
- Sim, trabalho na UTI, quando te vi aqui sabia que te conhecia de alguma lugar. Só quando conversei com a sua mulher que vi que era da Unesp.
- Ahh, então você tava lá no dia que eu cheguei...
- Estava...Nossa, você está muito bem, se recuperando muito bem! Quando chegou precisava de 3 pessoas pra carregar a sua perna, de tão moída que tava. Mas tá melhorando bem hein?
- Graças a Deus! Mas logo menos eu to de volta lá.
- Porquê? Nossa!
- Tenho que fazer mais duas cirurgias...
- Mas não na UTI!
- Não, na UTI nãoooo! Chega!
- Rsrsrs. Ufa! Chega mesmo..."

 "- E agora, vamos tomar um café, Tom?
- Opa, vamos sim!
- Vamos Baldoni?
- Claro!
 - Fabio, agora que eu já ofereci, você pode fazer....rsrsrsrs! Assim é bom oferecer café né? Eu ofereço e o Fabio faz!
- É Jiddu, assim tá fácil né, tá bom eu vou fazer, mas só dessa vez! Todos riem.
- Ah Fábio, já sei que quando eu ficar bom da perna vou ter que fazer o café todo dia mesmo...hehehe, Fabio levanta e vai preparar o café.
- Pois é Jiddu, a gente tava passando lá logo depois do seu acidente, eu até comentei com o Baldoni que a sua perna tava parecendo o S da Sadia...
- Oloco Tom!
- Verdade, eu até comentei com o Baldoni, não é Baldoni?
- É sim, a gente estava conversando, até paramos de falar e viemos o resto do caminho em silêncio.
- Eu tentei ver quem era, se era alguém conhecido mas não consegui ver que era você, já tinha muita gente em volta e eu não quis parar também, muita gente pode atrapalhar no resgate. Quando cheguei em casa nem falei pra Cintia, pra ela não ficar impressionada. Mas no dia seguinte de manhã ela mesma abriu os emails e viu a mensagem da sua mãe, contando o que tinha acontecido e pedindo para todos rezarem. Me deu uma coisa, um aperto..."

O tempo vai passando e eu continuo escutando histórias assim... em todo lugar que eu vou todos perguntam e se impressionam. E a vida continua (esperando pela cirurgia).

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Seis meses

180 dias. Anteontem não consegui evitar o pensamento no dia 4 de abril. Ainda mais depois que resolvi, na segunda feira, dar uma geral na minha carteira (aliás, to precisando de uma nova, aceito de presente! hahaha) e  tinha tickets do cartão e recibos de compra dos dias antecedentes ao acidente, e eu fiquei pensado em como a minha vida mudou, em quanto tempo ainda vai ficar assim, e em como vai ser depois...

Nessa semana disseram de novo que iriam me chamar na Unesp, mas já é quinta, meio da tarde, e até agora nada...

Estou testando um novo sistema de fazer dinheiro com comércio online, parece interessante, vejam no banner ao lado ou através do endereço http://zrbrasil.com.br/?user=jiddusc

Seria legal se o site Zeekler tivesse uma versão nacional, pra vender produtos aqui, maaaas... vamos ver o que dá, já que não preciso investir nada.

Assim que eu tiver sido chamado na Unesp postarei aqui.

Fui

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

À espera

Estou à espera.

Nesta segunda fui novamente à Unesp. Descobri que me aguardam não uma, mas duas cirurgias.
A primeira para retirar um pedaço de osso que está ainda exposto, depois de todo esse tempo. Já são quase seis meses. Parece que ele está meio fora do lugar. De qualquer maneira, como ficou tanto tempo exposto, ele agora é risco para infecção, mesmo que a carne e pele o cubram.
 A segunda para cortar o osso , num ponto onde não tenha sido quebrado (no meu caso, próximo ao joelho) para começar o alongamento. São aproximadamente 4cm que preciso alongar.

 Agora vamos às contas: 4cm. Pode ser alongado 3 cm a cada mês, logo, aprox 1 mês e meio. Para cada cm alongado, 1 mês de recuperação com o Fixador de Ilizarov (a gaiola), mais aprox 4 meses. Para a segunda cirurgia ser realizada, o que está aberto precisa estar fechado, quer dizer que esse "buraco" na minha perna precisa estar devidamente fechado e cicatrizado. Para isso, eu calculo pelo menos 1 mês depois da próxima cirurgia. Total: aprox 6 meses e meio. E quando é a próxima cirurgia? Disseram que iriam tentar me chamar ainda esta semana,mas já é quinta 22:22h.

Está bem... estimo o tempo para retirada do fixador entre 6 e 8 meses, lá pelo meio do ano de 2012...

Estou à espera!

sábado, 24 de setembro de 2011

O que é Responsabilidade Social?


Estou pensando sobre isso a algum tempo já...
Quado se fala sobre isso, ou se ouve falar parece uma coisa distante da realidade, responsabilidade de empresas, organizações, o governo, um troço quase utópico até. E as empresas tem selos para dizer que são socialmente responsáveis... affe, não deveriam nem existir se não o fossem!

Tá bom, tá bom, eu vou com calma...

Quem é mais velho deve se lembrar das aulas de educação moral e cívica. Alguém pode me dizer quais são as aulas "mais ou menos" correspondentes no currículo oficial atual?? Eu acho que não tive muito dessas aulas também, mas aprendi sempre que se deve respeitar aos outros e à natureza. Consciência? Saber o que faz, de verdade, e como isso afeta aos outros (e a si mesmo)... Cidadania? Alguém aí sabe o que é? Vamos ao dicionário...

cidadania
(cidadão + -ia)
s. f.
Qualidade de cidadão.


cidadão
(cidade + -ão)
s. m.
1. Indivíduo no gozo dos direitos civis e políticos de um estado livre.


(http://www.priberam.pt)

Segundo a Wikipedia "O conceito de cidadania sempre esteve fortemente "ligado" à noção de direitos... ...no entanto, dentro de uma democracia, a própria definição de Direito, pressupõe a contrapartida de deveres, uma vez que em uma coletividade os direitos de um indivíduo são garantidos a partir do cumprimento dos deveres dos demais componentes da sociedade..."

Pois é, eu acho que estamos constantemente nos esquecendo dessa segunda parte... E não confundam com punições! Estou falando de deveres simples... Todo mundo quer andar numa rua limpa, mas observe quantas pessoas dão ao seu lixo a destinação correta, quando estão na rua...

Mas vamos voltar ao dicionário...

moral 
(latim moralis, -e, relativo aos costumes) 
adj. 2 g.
1. Relativo à moral.
2. Que procede com justiça. = CORRECTO, DECENTE, HONESTO, ÍNTEGRO, JUSTO, PROBO ≠DESONESTO, ERRADO, IMORAL, INDECENTE
3. Não físico nem material (ex.: estado moral). = ESPIRITUAL
5. Conforme às regras éticas e dos bons costumes.
s. f.
6. Conjunto dos princípios e valores morais de conduta do homem.
7. Bons costumes.
8. Conjunto de regras e princípios que regem determinado grupo.
9. [Filosofia]  Tratado sobre o bem e o mal.
10. Susceptibilidade no sentir e no proceder.
s. m.
11. Estado do espírito. = ÂNIMO, DISPOSIÇÃO
moral da história: lição ou ensinamento que se pode retirar de um acontecimento ou história narrados. = MORALIDADE

Rapaz! Olha quanta coisa... Ok, vou considerar apenas o ponto de vista de "Conjunto de regras e princípios que regem determinado grupo." e "Conforme às regras éticas e dos bons costumes."

Tem mais:

Cívica - fem. sing. de cívico


cívico
adj.
1. De cidadão ou dos cidadãos.
2. Patriótico.
3. Em que só entra o elemento civil.
s. m.
4. Guarda da polícia de segurança pública.


Quero considerar, neste caso, "
De cidadão ou dos cidadãos." 
e "
Patriótico."

E finalmente:

Responsabilidade Social (      ) - sem nenhum resultado encontrado no mesmo dicionário usado anteriormente... Veremos o Google...

Wikipedia - Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade - 
"Segundo o Livro Verde da Comissão Europeia (2001),a responsabilidade social é um conceito segundo o qual, as empresas decidem, numa base voluntária, contribuir para uma sociedade mais justa e para um ambiente mais limpo."

Uhum, só citam as empresas...

Segundo o site http://www.responsabilidadesocial.com/ "As transformações sócio-econômicas dos últimos 20 anos têm afetado profundamente o comportamento de empresas até então acostumadas à pura e exclusiva maximização do lucro. ... Com o surgimento de novas demandas e maior pressão por transparência nos negócios, empresas se vêem forçadas a adotar uma postura mais responsável em suas ações."


Explicou? Pra mim não...

Virou até curso em universidade: Curso de Responsabilidade Social a Distância do FGV Online. Acesse.

Aiaiai... isso vai ser mais difícil do que eu pensava... Aguardem os próximos capítulos

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Raios-x

Ontem estive na Unesp de novo. O médico que agora é responsável pelo meu caso (depois do afastamento do  Dr. Reinaldo Volpi - veja o vídeo no post Na TV ) me viu pela primeira vez. Os residentes foram explicar para ele o meu caso e falaram assim: "Ele teve fratura exposta de fêmur, tíbia e fíbula, ah, aquele que o japonês montou a perna..." E o Dr. já sabia do que se tratava... Fiz raios-x depois de aprox 2 meses do último. Estão acontecendo progressos. Tirei fotos de 2 raios-x de ontem, as fotos estão na página "Fotos" deste blog, são as últimas.  Se você as vê assim, depois de 165 dias do acidente, e de algumas cirurgias, pode imaginar em que estado chegaram no dia 4 de abril...

Estou com com carvão ativado na perna, algo como uma compressa, no ponto onde ainda está aberto. O carvão drena o que estiver inflamado lá de dentro. Tiro na outra segunda. E os meus amigos remédios continuarão a me fazer companhia. Mais 14 dias de Cefaclor 500mg a cada 8h (o médico disse que a inflamação melhorou, mas em temos que ter certeza que sumiu completamente, não posso arriscar com essa perna). Tramal e Dipirona também estão no cardápio. Desde que voltei à fisioterapia, e ainda por causa da inflamação, as dores estão aí. Se a dor tiver forte a recomendação é intercalar 40 gotas de Dipirona com 1 comprimido de Tramal 50mg, em intervalos de 3h, pois um potencializa o efeito do outro. O Tramal precisei de 1 comprimido ontem pela manhã e 1 de madrugada. Se a dor não está muito forte eu tomo a Dipirona, se estiver ainda forte depois de 3h eu tomo o Tramal.

Estou já faz umas 2 semanas enroladando para escrever um post sobre responsabilidade social... o tema, no ponto de vista, é muito abrangente, vamos ver se sai ainda essa semana. Ah, hoje voltei a ir no Contraste Studio (www.contrastestudio.com) pela manhã, depois de mais de 3 semanas sem ir... vários projetos legais! Vou contar aqui também, no momento oportuno. Hoje me limitarei a dizer que me diverti um pouco com o Joomla.

Agora vou parar porque o Marawê está esperando para assistir um desenho aqui comigo... Fui!

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

De uns 6 anos atrás


Eu sou poeta descamisado
Eu sinto a vida  no peito nu, descendo a ladeira como uma brisa
refresca a gente com esperança,
e mata o outro com a saudade
A alegria me  embriaga ,
o sal da idade me sobe â face, 
me pesa o ventre como uma mãe.
O que será dessa nossa mãe,
que já não dorme ao som dos grilos, que já não sente o frescor das águas
que já não teme pelo pior,
com a esperança de que o porvir sepultará toda essa tristeza. 
E que então nesse novo dia minha alegria desça a ladeira,
tão leve e solta como um beija flor.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Considerações sobre a dor II - e outros devaneios

Ok babe, she's back! Veio se aproximadando, como quem não quer nada, um pouquinho cada dia, uns mais outros menos... O gosto da Dipirona e do Cefaclor (nada que R$ 120 não paguem), que estão aqui ao meu lado não me deixam mentir. Já afetaram o meu estômago, hoje já comi menos. Não saí mais de casa, desde sexta feira. Tomar banho: 1 hora aprox. Parece que o meu sangue está um pouco revoltado... mas eu vou acalmá-lo. Perna inchada. Não consigo dobrar. Ah... minha querida...até já troquei uma idéia com ela, combinamos que tudo vai acabar bem.

.  .  .

Marawê me pergunta:
- Papai, porque você está com dor?
Eu respondo:
- Você sabe porque meu amor...
- Porque aconteceu isso papai?
- Meu filho, tem coisas que acontecem, a gente não sabe bem porque...

.  .  .

Mas isso não me abala, não me atinge. Eu escuto sempre aquela voz que diz:

"Venha!
O amor tem sempre a porta aberta
E vem chegando a primavera
Nosso futuro recomeça
Venha!
 Que o que vem é Perfeição!..."

.  .  .

A Caroline Iaiz hoje me repassou a pergunta de um amigo: "O que é a felicidade pra você?"
Eu pensei um pouquinho e falei:

A felicidade é um estado de ser, no qual você esxtraí o melhor de tudo o que acontece.



sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Na TV

 

Isso não pode ficar só no protesto!

"Ele disse também que já foram feitas melhorias de pintura de solo com autorização do DER." Ao invês da refroma no gabinete pequeno e inadequado, vamos somente pintà-lo. O que acham?

Olha, o professor de Ortopedia da Unesp também apareceu na TV, como eu... Não tenho nem o que comentar...

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Será

Quer dizer que o menino tem dois pulmões então, Neto?  É melhor a gente rir com as coisas viu! Dizem que rir demais dá rugas, mas chorar também. Afinal, eu não me importo tanto assim com as rugas...

"Esse Fernando parece que tem dois pulmões", disse Neto, ex jogador do Corinthians e comentarista da Band, durante a final da copa do mundo sub-20. Depois, irritado com as piadas, Neto disse que não era médico, e sim comentarista de bola. Ah, bom!!!

A minha semana passada foi bem legal, fui na segunda musical do Stammtisch, que fazia mais de 4 meses que eu não ia, vi amigos e conversei, muito bom! Durante a semana toda vi vários amigos, e saí um pouco mais de casa...

No sábado fui assistir a uma palestra, com o tema "Astrologia e a lei da sincronicidade". Como já dizia Hermes Trismegisto, na Tábua de Esmeralda:



"(1) É verdade, certo e muito verdadeiro:
(2) O que está embaixo é como o que está em cima e o que está em cima é como o que está embaixo, para realizar os milagres de uma única coisa.
(3) E assim como todas as coisas vieram do Um, assim todas as coisas são únicas, por adaptação.
(4) O Sol é o pai, a Lua é a mãe, o vento o embalou em seu ventre, a Terra é sua alma;
(5) O Pai de toda Telesma do mundo está nisto.
(6) Seu poder é pleno, se é convertido em Terra.
(7) Separarás a Terra do Fogo, o sutil do denso, suavemente e com grande perícia.
(8) Sobe da terra para o Céu e desce novamente à Terra e recolhe a força das coisas superiores e inferiores.
(9) Desse modo obterás a glória do mundo.
(10) E se afastarão de ti todas as trevas.
(11) Nisso consiste o poder poderoso de todo poder:
Vencerás todas as coisas sutis e penetrarás em tudo o que é sólido.
(12) Assim o mundo foi criado.
(13) Esta é a fonte das admiráveis adaptações aqui indicadas.
(14) Por esta razão fui chamado de Hermes Trismegistos, pois possuo as três partes da filosofia universal.
(15) O que eu disse da Obra Solar é completo."


Todas as manhãs eu subo uns 17 degraus de uma escada, para trabalhar no Contraste Studio com o Fabio. Estou trabalhando como webdesigner e programador. Aprendendo ainda. PHP, Joomla, Wordpress, Blogger, HTML, CSS... me divirto!Na segunda não fui na fisio, tava sem carro aqui. Mas a LPNet veio trocar a minha antena da internet. Upgrade de banda, antena de 5,8 GHz (olha a frequência do bagulho, maior medo!). Ainda bem que ela fica em cima do telhado, maior radiação isso aí... Agora a internet tá melhor, parou de cair toda hora.Hoje a fisio foi pesada. Até sangrou onde tem um parafuso do fixador de Ilizarov. Mas faz parte. Eu quero mais.


Hoje também eu consegui me sentar no banco do motorista do carro. Foi emocionante. Consegui colocar o pé no acelerador e no freio. Nos próximos dias vou tentar dirigir um pouquinho. Preciso ficar com mais um pouquinho de força na perna, para poder tirar o pé do acelerador e colocar no freio com rapidez.

Vamos curtir um Jorge Ben?




sábado, 13 de agosto de 2011

de volta à fisio

Passaram-se quase 40 dias sem fisioterapia.Explico: Faço fisioterapia na clínica da FMR, e como a faculdade estava de férias, fiquei sem fisio. Mas não pensem vocês que fiquei parado. Bom, acho que todos sabem que não fiquei...
Nesta semana voltei para a clínica. Segunda feira foi feita uma nova avaliação. Que me deixou muito feliz. As diferenças da primeira avaliação, menos de 90 dias atrás foram grandes. Nessa primeira avaliação eu fui de cadeira de rodas. Meus joelhos dobravam num ângulo de menos de 60 graus. Eu não conseguia tirar a perna da posição sem ajuda, e apoiar o pé no chão nem pensar. Dessa vez eu fui de muletas. O ângulo de dobra do joelho está em torno de 90 graus. Eu levanto a perna sozinho, mesmo com os aprox. 2,5 quilos do fixador de Ilizarov. E ainda dei uma andadinha pela sala.

Os exercícios de hoje me deixaram um pouco dolorido, bastante esforço muscular na perna esquerda e também na barriga, por conta de levantar e abaixar a perna. E como treme. E a perna dói, e o joelho dói. A cada tremida, eu ouço: De novo! Está conseguindo! E a cada dor: Mais uma vez! Você é forte!

Não posso deixar de comentar que a lua estava linda, inspiradora, poética!

Ah meu Deus, que isso continue assim! 

e agora?

agora juntem os seus gravetos e acendam as suas fogueiras
que ela ilumine os seus rostos e aqueça os seus corpos

me joguem na penumbra, onde as chamas podem ser transformadas em mil
em cada reflexo, de cada lágrima

não me deixem explicar, não me escutem
e falem todos ao mesmo tempo, para que eu me confunda e me cale

na dança do tempo, sem passo, e fora do rítmo
no canto da vida, fora do tom

e que eu seja eternamente a lembrança do que podia ter sido
se não estivesse na penumbra, confuso e calado

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Palavras

Ao acaso. Palavras. Resolvi escrever o que der na telha. Alguém quer um gole de café? Café essa hora da noite? Pois é. Tem louco pra tudo, e de perto ninguém é normal. A Aina, minha irmã mais velha, tinha uma camiseta com essa frase. Eu li isso a primeira vez quando tinha uns 11 anos. E nunca mais esqueci. Saber que de louco todo mundo tem um pouco. E não julgar. Porque de perto ninguém é normal. Nem você que está lendo. Nem eu. Muuuito menos eu. E nem quero. Quero ser louco, e estou bem assim. Como já disseram Arnaldo Babtista e Rita Lee:

"Dizem que sou louco por pensar assim
Se eu sou muito louco por eu ser feliz
Mas louco é quem me diz
E não é feliz, não é feliz
Se eles são bonitos, sou Alain Delon
Se eles são famosos, sou Napoleão
Mas louco é quem me diz
E não é feliz, não é feliz"

Eu bebo o meu café. E ele me dá sono. A chuva no telhado. Ela é tão gentil. A sombra do meu dedo torto. Torto. As cortinas são lilás. Combinam com a gentileza da chuva. Olho para  luz. A luz. É tão fulgaz. Ela não é como a escuridão. A escuridão parece ser eterna. Tente guardar uma caixa de luz. E uma de escuridão? Qual é mais fácil?

Eu me escapo de mim, e me trago de volta. Vou com o vapor do café. Volto com a fé. Não é que eu escrevi realmente o que está dando na telha? E é a chuva. Affe, isso não teve graça. Mas são só meus pensamentos, meus momentos, movimentos dos meus dedos no teclado. Inclusive o meu dedo torto. Momentos.

Ao acaso.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Quer um avião? Imprima um!!

No dia 23 de maio eu postei um texto com o seguinte título: Quer um carro? Imprima um. Pois bem, hoje, li no site da Info a seguinte notícia:
1 º avião impresso decola no Reino Unido
Eita porra! E eu que achei que estava exagerando ao falar do carro!! Veja o texto na íntegra:

São Paulo- Os engenheiros da Universidade de Southampton, no Reino Unido, conseguiram, pela primeira vez, fazer voar um avião fabricado em uma impressora 3D.

À parte do motor elétrico, todos os componentes da aeronave foram fabricados em uma EOS EOSINT P730, máquina que cria objetos plásticos ou metálicos depositando materiais de camada em camada.
Até mesmo as asas, com envergadura de 2 metros, foram feita na máquina 3D. As partes podem ser montadas sem o uso de ferramentas, por meio de encaixes projetados e desenhados pelos lasers da impressora.

Chamado de SULSA (Southampton University Laser Sintered Aircraft), possui uma velocidade máxima de 160 km/h, um piloto automático e, por ser elétrico, realiza um voo bastante silencioso.

Apesar de ser um avião não-tripulado, ele é uma demonstração de como as impressoras podem mudar os processos de fabricação no futuro. Graças aos lasers, elas podem criar estruturas complexas, com recortes que seriam muito caros em processos de fabricação normal.

A ideia do projeto é mostrar que aeronaves mais complexas podem ser fabricadas em um dia, sem a necessidade de ferramentas.

E aí, vamos comprar uma impressora dessa???

fonte:http://info.abril.com.br/noticias/ciencia/primeiro-aviao-impresso-decola-no-ru-29072011-6.shl

domingo, 24 de julho de 2011

Considerações sobre a dor

Ontem li uma matéria no "How stuff works" sobre a dor, e a percepção de dor nos homens e nas mulheres. Você sabia que durante muito tempo novas drogas eram testadas somente em homens? Era para evitar problemas que pudessem afetar o desenvolvimento dos bebês. Mas então descobriu-se que as drogas tem efeitos diferentes no homem e na mulher. (Agora são testadas em todos).
Descobriu-se que os homens e as mulheres têm tolerâncias diferentes a diferentes tipos de dor. Isso não quer dizer que seja verdade aquela crença de que as mulheres suportam mais a dor. Uma das teorias diz que o que ocorre geralmente é que o homem é mais resistente a dores de origens externas (ao corpo. Por exemplo, uma queimadura). Já as mulheres são mais fortes em relação a dores internas, por exemplo, uma cólica.
Eu já tinha algumaas considerações e/ou perguntas sobre o tema, que acho que seriam dignas de serem colocadas.
  • Será que existe um limite para a dor?
  • Será que esse suposto limite varia?
  • Será que podemos controlar o nível de dor?
  • Dor pode ser psicológica?
  • Quanto da dor é gerada por fatores psicológicos e quanto por fatores físicos?
Depois de toda a dor que passei e ainda estou passando nesse período da minha vida acho que posso dizer que estou aprendendo algumas coisas sobre a dor.
A primeira coisa que posso dizer é que parece que agora que eu conheço uma "grande" dor, as dores menores não me assustam tanto. Diria que estou menos reclamão.
Vou dar uma pesquisada para ver se consigo melhorar as idéias que tenho até agora sobre essas questões que levantei acima. E continuo com as minhas considerações no próximo post!
Hasta!

terça-feira, 19 de julho de 2011

um passo depois do outro...


Quero aproveitar para publicar aqui os meus agradecimentos à todos que têm me ajudado e me apoiado, desde o princípio. Principalmente a minha família. Obrigado Mãe, Pai, Aina, Maíra, Ísis, Renata, Marawê e Giullia!

sexta-feira, 8 de julho de 2011

94 dias - só uma muleta

Hoje pela manhã eu estava dando uma volta de muletas pelo quintal e quando apoiei a muleta que estava no meu braço direito senti que a borracha que fica na ponta havia sido cortada pelo cano de alumínio. Na hora pensei "putz, que droga! Agora vou ter que arrumar uma nova ponta..." Olhei e percebi que estava certo, e já fiquei pensando que teria que tomar muito cuidado para não escorregar.
Na parte da tarde fui até a cozinha e realmente a muleta escorregou duas vezes e eu não fiquei nada contente, pensando "ixe, vou ter q arrumar uma nova borracha amanhã, nossa... já pensou na hora de sair do banheiro depois do banho? Aiaiai..."
Decidi dar mais uma volta no jardim, dessa vez de tênis, para colocar um pouco o pé no chão.
Fui andando e ouvindo o barulho do alúminio pelo caminho de cimento. Depois de andar alguns passos me veio um pensamento novo: "Ei, e se isso for como um sinal pra eu andar só com uma muleta?" Resolvi tentar.
Não vou dizer que não dá medo. E dói também. Mas tinha que tentar. Na primeira tentativa eu não consegui. Mas percebi que o medo ainda estava me segurando. Tentei de novo. Foi um pouco melhor,mas ainda pensei que não ia conseguir. Mais uma vez. E dessa vez foi!! Dei um passo, e mais um e mais outro. Eu não me aguentava de felicidade. Algumas lágrimas escorreram dos meus olhos, se eu pudesse pularia para comemorar, como quando um jogador de futebol faz um gol.
E não é que a muleta estava mesmo me dizendo pra eu tentar? Que bom que a borracha se estragou!!


cabeça de dura quem não canta uma careta

sábado, 2 de julho de 2011

final - planos, de repente

Como eu disse no post anterior, eu estava começando a perceber que as coisas que eu tinha planejado iriam mudar, mas ainda não tão conscientemente.
Toda hora vinha algum médico diferente me examinar e perguntar onde eu estava sentindo dor. A minha calça estava completamente rasgada, mas a jaqueta estava inteira. Num certo momento vieram tirar a minha jaqueta, mas ainda não tinha feito raio-x e quiseram corta-la pra tirar. Ah, eu não deixei. Minha calça que eu mais gostava ja era, o meu único tênis decente também. Minha perna estava em pedaços, a minha jaqueta ia continuar inteira!! Ainda bem que os braços da jaqueta são presos com zíperes, e aí eu consegui salvá-la.
Fiz uma porção de raios-x, e toca passar da maca pra mesa de raio-x, e depois de volta! Saio da sala de raio-x, passam-se alguns minutos e entra um médico agitado e xingando todo mundo, pois os raio-x não estavam como deveriam estar, ele mesmo iria refazê-los! E vamos pra mesa de raio-x de novo...
Depois disso eu não me lembro muito claramente das coisas, acho que me deram anestésico e sedativo...Me lembro de entrar na sala de cirurgia, e depois da sala de recuperação, e então o quarto! Nisso eram 4:30 da manhã.
Quando acordei que eu consegui examinar o que tinha sido feito na minha perna, e confesso que fiquei bem feliz com o que vi. Apesar de estar inchada, torta e com uma porção de ferros, ela ainda estava lá!!
Com as horas, e depois os dias passando, eu fui me dando conta de que realmente minha vida estava mudada, e para sempre. Eu ainda não sabia quais seriam as consequências de tudo isso, mas sabia que nunca mais seria o mesmo. Eu percebi que nunca tinha estado tão perto da morte quanto naquele acidente. Ainda não estava tudo acabado, nas primeiras 48 horas era alto o risco de Embolia Gordurosa (com o rompimento de vasos e ossos grandes, como o fêmur e tíbia, há mistura a medula óssea com sangue, que é levado ao pulmão e, se o atravessar, chega ao cérebro, rim e coração, obstruindo os vasos capilares), que pode levar ao coma e até a morte. O risco de infecção também era considerado, devido à exposição dos ossos fraturados ao meio externo. Eu realmente sou um cara de sorte. Nada disso aconteceu.
As visitas vieram, foi tanta gente que eu nem posso citar nomes, pois corro o risco de esquecer alguém. E os recados, e os pensamentos. A minha família sempre lá. A cada cirurgia, cada horário de visitas. O apoio dela foi fundamental, e ainda está sendo!
No início eu nem sabia se podia fazer algum plano para o futuro, pois não tinha certeza de quanto tempo iria ficar internado, e nem qual seria o tratamento para a minha perna. Não sabia nem qual era o tamanho do problema, na verdade!
Os médicos e enfermeiros sempre muito atenciosos, o atendimento e competência de quem trabalha na Unesp estão muito bons!
Agora, em casa eu vejo tudo isso que já passou, e vi o quanto realmente a minha vida já mudou.
Como eu já disse em postagens anteriores, em momentos como esse percebemos como são de grande valor os pequenos gestos, os pequenos detalhes.
Como já disse Renato Russo: "É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã..."
Percebi como sou frágil. Como a vida é efêmera. Que devo ter planos traçados, e não devo deixa-los para depois. Que talvez eu tenha que mudá-los, talvez até completamente, mas não devo deixar de tê-los, nunca! Que devo estar sempre pronto para tudo. Que devo ser forte e humilde ao mesmo tempo, e me superar a cada dia, pois os desafios surgem quando menos eu esperar!


segunda-feira, 27 de junho de 2011

continuação - planos, de repente

... Eu, naquela segunda feira, dia 4 de abril, tinha os meus planos, e acreditava ser dono do meu destino.
Mas... De repente...
É incrível como a vida pode mudar de uma hora para outra, de um segundo para outro.
Num instante eu estava indo para casa, em cima da minha moto, cantando Legião bem alto, sabendo o que eu iria fazer na próxima meia hora, e depois, e ainda mais tarde, e no dia seguinte, e...
Alguns segundos depois eu estava no chão, sentindo uma dor insuportável, que me fazia gritar tão alto quanto eu nunca tinha gritado na minha vida, sem saber o que iria acontecer no próximo instante, e sem saber se ainda podia dizer que tinha uma perna direita. Apesar de tudo isso eu pensava rápido. Eu acho. Mais alguns segundos e já haviam várias pessoas ao redor de mim.
Não perdi a calma,e consegui fazer uma ligação no celular, ia fazer a segunda, mas a dor me fazia tremer, e eu não conseguia mais segurar o aparelho direito. Então um rapaz perguntou se eu queria que ele ligasse para alguém. Eu entreguei o celular para ele e falei pra ligar pra minha casa, pois uma outra pessoa já estava ligando para o resgate. E eu ainda conseguia, não sei como, prestar atenção no que as pessoas falavam comigo, e dizer o nome da estrada onde estávamos para a pessoa que ligava para o resgate, e agradecer por estar vivo.
Na verdade a primeira coisa que pensei depois que percebi que estava parado depois do choque foi: Estou vivo! Graças a Deus!
E a Renata chegou, e o meu pai também, mais ou menos ao mesmo tempo que a ambulância. Ao me colocarem na maca doeu ainda mais. Para colocar a maca na ambulância era preciso ajuda, pois eles estavam só em duas pessoas, e o ideal era 4, até para não dat muito tranco e eu sentir menos dor. O meu pai resolveu ajudar, mas eu tive que gritar que não, pois ele havia feito uma cirurgia de apendicite, na semana anterior.
No caminho para o hospital, a cada curva, a cada buraco, a dor piorava, e eu respirava fundo, tentando manter a concentração e a calma, enquanto a Renata e a socorrista/enfermeira conversavam comigo para me manter acordado. Eu não tinha sono. mas como ainda não havia sido feita nenhuma radiografia era perigoso que eu dormisse.
Eu comecei a perceber que as coisas que eu tinha planejado iriam mudar. Mas ainda não era uma percepção muito consciente. Era só uma questão de obviedade. Se eu estava chegando na emergência de um hospital eu não ia poder estar em outro lugar. Mas eu não tinha idéia de por quanto tempo.
(Continua)

segunda-feira, 20 de junho de 2011

planos, de repente

Quais são seus planos para hoje a noite? E amanhã? E para o próximo final de semana, as próximas férias, para o resto do ano, para o resto da sua vida?
Todos temos esse tipo de planos. Senão como planos pelo menos como intenção, ou vontade.
E geralmente pensamos que temos pleno controle sobre o que acontece na nossa vida, achando que os nossos planos estão sempre prontos a serem realizados, a qualquer hora.
Você já parou para fazer (ou refazer) os seus planos?
Quantas vezes você já adiou os seus planos, por julgar que ainda havia muito tempo, e que eles poderiam ser deixados para depois?
Mas a vida, a vida é uma caixinha de surpresas, não é?
Eu, naquela segunda feira, dia 4 de abril, tinha os meus planos, e acreditava ser dono do meu destino.
Mas... De repente...

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.
De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.
De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.
Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

(De Repente - Vinícius de Morais)

(a ser continuado)

terça-feira, 14 de junho de 2011

Fotos

Consegui finalmente passar umas fotos pro computador, então, pra quem ta curioso pra ver como estou, e estava... É só clicar ali no menu superior em "Fotos" e apreciar a paisagem...rsrsr Com o tempo vou colocar mais, vou tentar pegar as imagens do raio x.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Made in China - a ameaça xing-ling

Esses dias recebi de uma amiga (valeu Heloá Andrade) um texto muito interessante, que trata da crescente "chinalização" de tudo quanto é tipo de produtos industrializado. Como o texto citava o nome do autor eu fiz uma pesquisa e achei o texto original, que transcrevo abaixo, para depois fazer os comentários pertinentes...


Os Preçonhentos - A armadilha chinesa

Por Luciano Pires

Alguns conhecidos voltaram da China impressionados. Um determinado produto do qual o Brasil fabrica um milhão de unidades por ano, uma só fábrica chinesa produz quarenta milhões... A qualidade já é equivalente. E a velocidade de reação é impressionante. Os chineses colocam qualquer produto no mercado em questão de semanas. Com preços que são uma fração dos praticados aqui.
Uma das fábricas chinesas está de mudança para o interior, pois os salários da região onde está instalada estão altos demais: 100 dólares. Um operário brasileiro equivalente ganha 300 dólares no mínimo. Que acrescidos de impostos e benefícios, representam quase 600 dólares. Comparados com os 100 dólares dos chineses, que recebem praticamente zero benefícios.
Hora extra? Na China? Esqueça. O pessoal por lá é tão agradecido por ter um emprego, que trabalha horas extras sabendo que nada vai receber.
Essa é a armadilha chinesa. Que não é uma estratégia comercial, mas de poder.
Os chineses estão tirando proveito da atitude dos marqueteiros ocidentais, que preferem terceirizar a produção e ficar com o que “agrega valor”: a marca. Dificilmente você adquire nas grandes redes dos Estados Unidos um produto “made in USA”. É tudo “made in China”, com rótulo estadunidense. Empresas ganham rios de dinheiro comprando dos chineses por centavos e vendendo por centenas... Mesmo ao custo do fechamento de suas fábricas.
É o que chamo de “estratégia preçonhenta”.
Enquanto os ocidentais terceirizam as táticas e ganham no curto prazo, a China assimila as táticas para dominar no longo prazo. As grandes potências mercadológicas que fiquem com as marcas, o design. Os chineses ficarão com a produção, desmantelando aos poucos os parques industriais ocidentais. Em breve, por exemplo, não haverá mais fábricas de tênis pelo mundo. Só na China, que então aumentará seus preços, produzindo um “choque da manufatura”, como foi o choque do petróleo nos anos 1970. E o mundo perceberá que reerguer suas fábricas terá custo proibitivo. Perceberá que se tornou refém do dragão que ele mesmo alimentou. Dragão que aumentará ainda mais os preços, pois quem manda é ele, que tem fábricas, inventários e empregos... Uma inversão de jogo que terá o impacto de uma bomba atômica. Chinesa.
Nesse dia, os executivos “preçonhentos” tristemente olharão para os esqueletos de suas antigas fábricas, para os técnicos aposentados jogando bocha na esquina, para as sucatas de seus parques fabris desmontados. E lembrarão com saudades do tempo em que ganharam dinheiro comprando baratinho dos chineses e vendendo caro a seus conterrâneos.
E então, entristecidos, abrirão suas marmitas e almoçarão suas marcas.
Eu concordo plenamente com o sr. Luciano Pires, e penso que devemos, cada um de nós, fazer a nossa parte para (tentar) evitar isso tudo!
Vamos valorizar a produção nacional, e, sempre que possíve,l regional. Não se trata de nacionalismo, é uma questão de sobrevivência e sustentabilidade!
Claro que ajudaria se a política fiscal e monetária do país colaborasse para a diminuição dos preços ao consumidor final, mas esse é um outro assunto...
Vamos acordar e fazer a nossa parte!!
Fonte: http://www.globalexchange.com.br/artigo.asp?txtid=685

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Conhece-te a ti mesmo

"Disse o oráculo de Delfos: "Conhece-te a ti mesmo." Eu digo: "Conhece teu dever, porque quem conhece o seu dever também se conhece." O conhecimento de si mesmo é muito difícil para os filósofos, ao passo que o conhecimento do dever é fácil para os analfabetos. É o único meio que conduz o homem à felicidade, à tranquilidade, ao progresso e à riqueza,

Se todo homem cumprisse o seu dever, sem meter-se na vida dos outros, o mundo seria um paraíso. Toda virtudo é inútil, sem o cumprimento do dever. E se os governantes inculcassem em seus súditos esses princípios, em vez de cumulá-los com leis e prescrições, não haveria necessidade de prisões e os cárceres desapareceriam."

Trecho de Adonai, de Jorge E. Adoum

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Detalhes

Hoje o trânsito em Botucatu estava bem ruim. Claro que não posso comparar com o trânsito de cidades grandes, porém foi o suficiente para me fazer chegar atrasado na fisioterapia. Mas tudo bem. foram só 10 min. Detalhes.

Cheguei de barba feita (não fazia desde alguns dias antes do acidente, aprox. 60 dias) e de muletas, todos fizeram ohhhhhhhh! Detalhes.

Luva de parafina. Dobrar o dedinho. Dobrar o joelho. Fortalecer a musculatura da perna boa. Ficar de pé. Andar um pouquinho. Dessa vez o tênis entrou e saiu do meu pé com menos dor. Consegui flexionar um pouquinho mais o pé hoje. Detalhes. Cada passo exige bastante atenção e concentração. Na hora de levantar a perna, para não viciar em um movimento errado e depois andar torto. Na hora de por o pé no chão, para que este não fique virado para dentro, e continue assim depois. Detalhes.

O minha rotina agora me leva a prestar atenção nos detalhes, e os detalhes fazem o todo, o cheio, a vida. Nos esquecemos dos detalhes ás vezes, mas precisamente, eles fazem toda a diferença.

Disse a um amigo hoje: "É um longo caminho, mas o caminho só é feito um passo por vez
e os meus são pequenos grandes passos". Detalhes.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Passos

Bem, os parafusos já foram apertados uma volta e meia e até agora ainda não senti dor, tomara que continue assim!

Fisioterapia hoje: Com tênis adequado eu fui para as barras paralelas, para colocar o pé novamente no chão... Realmente com o tênis ficou muito menos doloroso, e depois de alguns instantes a fisioterapeuta disse: Vamos tentar andar? Aquilo soou como música para meus ouvidos! Consegui arriscar alguns passos, e mesmo me apoiando nas barras, isso me deixou extremamente feliz!! Ainda não tenho força e nem equilibrio para sair andando (e nem é essa a idéia agora), mas os 12 ou 15 passos que consegui hoje me deram alegria, força e confiança para continuar nesse caminho de recuperação que estou trilhando.

Agora vou dar mais 1/4 de volta nos parafusos...

EU ANDEEEEEEEI!!!

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Dança da paz

“Germinam os desejos da alma,
crescem os atos da vontade,
maturam os frutos da vida.

Eu sinto meu destino,
meu destino me encontra.
Eu sinto minha estrela,
minha estrela me encontra.
Eu sinto meus objetivos,
meus objetivos me encontram.

Minha alma e o mundo são um só.

A vida ela se torna mais clara ao redor de mim,
a vida, ela se torna mais árdua para mim,
a vida, ela se torna mais rica em mim,

Busque a paz,
viva em paz,
ame em paz".

(Rudolf Steiner)

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Fisioterapia, raio x e pé no chão

Hoje foi um dia deveras interessante. Primeiro passei um p... frio pela manhã na Unesp, numa consulta de retorno. Que ventoooo! Vi pela primeira vez os raio x da minha perna, do dia do acidente e de hoje. Ah, que coisa lindaaaa!! Fiquei feliz com o que vi, ainda mais depois que os médicos disseram que tudo está indo muito bem! Tive ainda mais duas surpresas. A primeira foi que eu devo, a partir de hoje, exercer carga na minha perna, isto é, apoiar o meu pé direito no chão. A segunda é que devo também fazer a aproximação dos ossos fragmentados, regulando o fixador de Ilizarov de modo que seus anéis se aproximem. Para isso devo, a cada 6 horas, apertar as porcas dos parafusos que regulam essa distância em 1/4 de volta. Quero ver quanto isso vai dar no final (depois de 15 dias). Estou presumindo que essas duas coisas vão ser um pouco doloridas, mas é necessário!

Voltei para almoçar em casa, e logo saímos de novo, dessa vez com a Renata como motorista, que na parte da manhã tinha sido meu pai. O destino agora era a fisioterapia. Últimamente fico contente só de ouvir esse nome.

A Fisioterapia pode ser definida como a arte e ciência dos cuidados físicos e da reabilitação. Com o sentido restrito à área de saúde, está voltada para o entendimento da estrutura e mecânica do corpo humano. Ela estuda, diagnostica, previne e trata os distúrbios, entre outros, da biomecânica e funcionalidade humana decorrentes de alterações de órgãos e sistemas humanos. Além disso, a Fisioterapia estuda os efeitos benéficos dos recursos físicos e naturais sobre o organismo humano. Muuito interessante, diga-se de passagem.

Nas sessões de fisioterapia estou trabalhando então a minha recuperação de movimentos e funções da minha perna e do dedinho da minha mão direita. Pude já então colocar em prática a recomendação médica. Pé no chão! Que coisa mais estranha! Depois de quase dois meses, apoiar novamente o meu pé direito no chão foi muito bom! Doloroso também, acho inclusive que se não estivesse com a mão apoiada eu cairia no chão, pois ainda não tenho equilibrio e nem força nessa perna. Mas tudo bem, um pequeno passo de cada vez, já que vou reaprender a andar.

domingo, 29 de maio de 2011

Fascinante vida

A vida é tão fascinante
e tão errada
quando uma porta se abre
a outra te bate na cara

o que parece certo
num piscar de olhos
te deixa numa roubada

se você mergulha fundo
se você corre pra longe
você tem ar pra subida?
fôlego pra voltar pra casa?

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Quer um carro? Imprima um.

Falta um lustre na sua casa? Talvez pratos. Um mouse para o seu computador. Ou, quem sabe, você acha que seu celular não tem personalidade e gostaria de mudar seu design.

E se você pudesse imprimir tudo isso em casa, sozinho, com a cara que quisesse? Pois as impressoras 3D, antes confinadas ao setor de protótipos, já permitem isso.

São aparelhos que usam técnicas variadas --da deposição da resina plástica à moldagem de objetos com pó e laser-- para construir peças criadas em programas de computador do tipo CAD, para desenho tridimensional.

Com o barateamento e a rápida evolução da tecnologia, o consumidor logo poderá fazer isso em casa, assumindo maior controle sobre a forma de seus objetos pessoais e reduzindo drasticamente os custos para iniciar um pequeno negócio.

"Você não precisará mais de um aparato industrial enorme para fabricar esses objetos que visam o consumidor", disse à Folha o pesquisador Peter Schmitt, 33, que acaba de defender seu doutorado no MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) sobre o tema.

Schmitt desenvolveu para sua tese um relógio de parede totalmente fabricado por uma impressora 3D. Ele já é "impresso" montado, com as engrenagens encaixadas, pronto para funcionar.

CONSUMIDOR

As impressoras 3D não nasceram agora. Há pelo menos dez anos elas são bastante utilizadas para construir protótipos. O que mudou é que finalmente elas chegaram a um estágio, tecnológico e de custo, que permite seu uso comercial. O próximo passo é o consumidor.

Hoje, uma pequena impressora 3D pode ser comprada por US$ 2.000 (R$ 3.200 --uma de maior porte, do tipo que fez o relógio e que é voltada para empresas, pode sair por US$ 40 mil).

A Folha viu uma das versões pequenas em ação, enquanto produzia uma peça de xadrez.

O trabalho todo levou duas horas e basicamente consistia em uma pequena máquina robótica que derretia um fio de resina plástica do tipo ABS (sigla em inglês para acrilonitrila butadieno estireno) e depositava, em camadas ultrafinas, até que o objeto estivesse formado.

A perfeição do produto final varia de acordo com o número e com a espessura dessas camadas.

É difícil imaginar que hoje muita gente vá comprar algo assim para manter em casa e produzir pequenas peças --até porque é preciso entender um pouco de programação, ou de CAD, para mandar imprimir o tal objeto.

NÃO NA CHINA

Mas a pesquisa atual avança para uma linguagem mais simples e amigável para o usuário.

Schmitt diz que as máquinas atuais estarão obsoletas em cinco anos e compara os efeitos de sua eventual popularização com os efeitos dos softwares de música sobre a indústria fonográfica e a mentalidade do consumidor.

"Havia as grandes gravadoras, que mantinham os artistas por contrato e distribuíam sua musica ao público. Hoje, os softwares permitem que você se grave e venda seu material para as pessoas diretamente, em MP3."

A indústria também pode se beneficiar dessa massificação das impressoras.

Hoje elas produzem objetos inteiriços, não maiores do que 40 cm ou 50 cm, a partir de plástico e ligas metálicas específicas, afirma Schmitt.

Mas a indústria aeronáutica trabalha para mudar isso, e, uma vez que essa capacidade seja ampliada, os usos serão virtualmente ilimitados, diz ele. O trabalho humano ficará só na criação.

"Você poderá imprimir um carro em qualquer lugar, pelo mesmo preço. Não precisaremos fabricar as coisas na China porque lá os custos de produção são menores", diz Schmitt, exibindo um pequeno carro impresso no MIT de uma só vez, sem encaixes.

"E poderemos produzir por demanda, muito mais rapidamente", complementa.

Custos de transporte praticamente inexistiriam. O conceito de estoque iria se transformar. O de design também, já que, como explica Schmitt, objetos grandes e pequenos têm sua forma hoje ditada também pelas limitações de maquinário, que impõem encaixes e montagens.

(LUCIANA COELHO = Impressoras 3D viram 'artigo popular'- em http://www1.folha.uol.com.br/mercado/919154-impressoras-3d-viram-artigo-popular.shtml )

sábado, 21 de maio de 2011

O quintal

Hoje saí para dar uma volta no quintal. Depois de 46 dias, e visto da cadeira de rodas, ele estava bem diferente. Notei o crescimento das bananeiras e mamoeiros, das flores, da grama... Senti o vento e os cheiros, da terra, e das plantas. Tomei um sol, enquanto lia Adonai (estou gostando, Miriam). Li o seguinte trecho:

"O professor perguntou a seus discípulos: "Que é a vida?" A raposa respondeu: "É uma galinha velha." O gato respondeu: "É uma ratazana." O rato disse: "É um pedaço de carne, uma ratoeira desconsertada e um gato saciado." - E assim também são os homens - meditou o professor. - Cada qual define a vida de acordo com seus interesses, formando assim seus pequenos conceitos limitados. Porém a verdade é que a vida não tem definição, porque a vida é Deus, e este é incogniscível."

Alguém já tentou encontrar uma definição científica para a vida? Desconfio que ninguém vai encontrar nada, pois a ciência, da maneira tradicional como existe hoje, não reconhece a espiritualidade, e assim não consegue encontrar uma resposta em sua racionalidade para o que é a vida.

No meu ponto de vista eu concordo com a frase tirada de Adonai, e acho que espiritualidade e ciência devem andar juntas, pois não consigo, em toda essa vida presente no pequeno espaço do quintal de minha casa, conceber uma vida sem a presença do espírito.

terça-feira, 17 de maio de 2011

Me ajudem

Desde aquele dia do acidente, tenho tentado encontrar alguém que tenha alguma informação sobre o motorista do carro que causou o acidente. Tive a impressão que era um Corsa ou um Celta preto, e depois descobri pelo amigo de um amigo que passou pelo local que era realmente um Corsa Sedan preto. Me lembro que na hora que eu ainda estava no local, antes do resgate chegar, eu pedi para alguém anotar a placa do carro, que ainda estava lá,mas não aparentava que ia ficar, pois a pessoa nem ao menos foi falar comigo. Me lembro que alguém me respondeu que já tinha anotado, tenho a impressão que foi um homem, mas não conseguimos localizar ninguém. Haviam pessoas da Fatec que me reconheceram, será que alguém tem alguma outra pista? Náo é uma questão de vingança, e sim de justiça. Desde já obrigado!

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Grande Ilizarov!

Fixador de Ilizarov. Popularmente conhecido como "gaiola", é o que eu tenho agora na perna, entre o joelho e o tornozelo. GAVRIL ABRAMOVITCH ILIZAROV. Graças a invenção desse médico russo eu não tive a minha perna amputada!

O Dr. Ilizarov construiu, depois de muitos anos de pesquisa, um Método Biológico de Osteoplastia e Regeneração Óssea. Este método consiste num fixador circular que utiliza parafusos de aço de pequenos diámetros (para evitar lesões ósseas extensas) que transfixam o osso em cruz no seu centro axial em um plano perpendicular ao eixo das extremidades ósseas, e os fixam a anéis externos por meio de parafusos especialmente desenhados os quais são por sua vez conectados a hastes rosqueadas. A fim de aumentar a estabilidade produzida pelos parafusos finos, ele os tensiona, conferindo maior estabilidade à montagem.
Os principios biológicos da doutrina de Ilizarov fazem parte de conhecimentos antigos da natureza, mas de descoberta tão recente. O uso e adequação dos processos reparadores são a essência terapêutica da patologia do aparelho locomotor; esta é a proposta terapêutica de Ilizarov. O autor desenvolveu o modo de se obter uma neoformação óssea (formação de novo seguimento ósseo) num foco de fratura, com uma distração epifisiária (esticamento da cartilágem), ou numa corticotomia (separação córtex ósseo, deixando o suprimento sangüíneo intramedular intacto), quando são submetidos a uma distensão mecânica (esticamento) dosada.
Ilizarov aperfeiçoou seu método e curou milhares de pacientes. Seu reconhecimento oficial veio, no entanto, apenas muitos anos depois, em 1978, quando tratou o ginasta e medalhista olímpico Valeri Brumel, acidentado com grave fratura óssea na perna que, após o tratamento com o métido Ilizarov, voltou competir conseguindo assim conquistar a medalha de ouro nas olimpíadas de Moscou.
Em 1989, um grandioso evento trouxe ao Brasil o Professor Ilizarov para ministrar o I Curso Internacional do Método.
Hoje, a metodologia é amplamente reconhecida, respeitada e divulgada em vários países das Américas, Europa e Ásia. Seus principios são cada vez mais difundidos ajudando seus praticantes a curar e a melhorar as condições de vida de milhares de pacientes por todo o mundo. - Obrigado Dr. Ilizarov! (crédito: Alenquer- http://ometodoilizarov.wordpress.com/ )


No meu caso eu preciso recuperar aprox 10cm de osso, na tíbia e fíbula, e ainda não sei quanto tempo isso vai demorar. O que eu sei é que vou precisar de muita fisioterapia, paciência e fé!

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Um mês

Hoje faz um mês que aconteceu o meu acidente. Aconteceu tanta coisa nesse período. Desses 30 dias, 23 eu passei no hospital. Hoje faz também uma semana que estou em casa. Essa hora, aproximadamente. Não consigo conter algumas lágrimas. Não são de revolta, ou lamento. São de gratidão. Agradeço por estar vivo, por estar inteiro, mesmo que com a perna toda quebrada. Agradeço a Deus, às forças espirituais, divinas, gnósticas, ou qual seja o nome. Agradeço aos amigos que dedicaram um pouco de seu tempo orando por mim, pensando positivamente, a todos, que de alguma maneira ajudaram, mesmo que silenciosamente. A esta hora (19:15), um mês atrás, eu sentia a maior dor de toda a minha vida. Essa dor hoje se traduz em alegria, alegria de estar vivo!

E como já dizia o saudoso Gonzaguinha: "Viver, e não ter a vergonha de ser feliz, e cantar, e cantar e cantar... a beleza de ser um eterno aprendiz!"

terça-feira, 3 de maio de 2011

Diário de um acidentado

Caros,

a partir de hoje quero escrever aqui sobre o meu acidente, minha recuperação e como estou me sentindo com tudo isso.

Para começar, vou descrever o que aconteceu, para quem não sabe.

Era segunda feira, último dia 4 de Abril, aprox 19:10. Eu tinha acabado de deixar a Renata em frente a Staroup para ir à faculdade e voltava para casa, de moto. Vim pela Rodov. Marechal Rondon, fiz o contorno em frente ao DER e entrei na Rodov. Gastão dal Farra, passando por baixo da Mal. Rondon. Há uma pequena curva e uma subida, logo após o viaduto. Pois eu estava no meio dessa subida, e um carro vinha descendo, na direção contrária. Nesse trecho não é permitida ultrapassagem. De repente um carro veio ultrapassar o carro que estava vindo na mão contrária a minha, invadindo a minha pista. Eu cantava Legião Urbana, e a única coisa que consegui pensar foi: o que esse louco ta fazendo?

Tentei tirar a moto para a minha direita, mesmo que entrasse no mato, mas o espertinho do carro foi para o mesmo lado. Joguei a moto para a esquerda, ao mesmo tempo em que o carro freou e derrapou um pouco. como eu já estava muito em cima do carro não consegui desviar completamente, e bati, na lateral esquerda do carro.

Tive uma fratura exposta no fêmur, múltiplas fraturas (expostas) na tíbia e fíbula, o pé, e o dedinho da mão, todos no lado direito.

quarta-feira, 30 de março de 2011

Blogueiro

Estou virando um blogueiro. Pena que não sobra tempo pra eu postar e mexer no meu próprio blog. Affe. Mas to aprendendo. E é no Wordpress (olha a concorrência...). Vou tentar pela (acho que) quarta vez manter esse troço aqui atualizado... visitem www.elo.org.br
to trabalhando nele todo dia... sem previsão de acabar! vai ficar um esquema legal! Facebook e Orkut abandonados, Twitter então nem se fala! Essa vida virtual é foda! E agora estou ainda tentando conciliar isso tudo com Agricultura Biodinâmica. Será que eu fico doido de vez? Ou será que daí fico bom?